01/12/10

Poema an lhinha reta


Nunca coinci quien tubira lhebado porrada.
Todos ls mius coincidos ténen sido campiones an todo.

I you, tanta beç reles, tantas bezes puorco, tantas bezes malo,
You tanta beç eirrespundiblemente parasita,
Ançculpablemente puorco,
You, que tanta beç nun tengo tubido pacéncia para dar banho,
You, que tanta beç tengo sido rediclo, absurdo,
Que tengo arodelhado ls pies publicamente ne ls tapetes de las eitiquetas,
Que tengo sido grotesco, mesquino, submisso i amprouado,
Que tengo sufrido rexoxós i calhado,
Que quando nun me tengo calhado, tengo sido mais rediclo inda;
You, que tengo sido cómico a las criadas d'hotel,
You, que tengo sentido l piçcar d'uolhos de ls pinches,
You, que tengo feito bergonhas financeiras, pedido amprestado sin pagar,
You, que, quando la hora de la punhada apareciu, me tengo amarrado
Para fuora de la possiblidade de la punhada;
You, que tengo sufrido l'agonia de las pequeinhas cousas rediclas,
You beio que nun tengo armano nesto todo neste mundo.

To la giente que you coinço i que fala cumigo
Nunca tubo un ato rediclo, nunca sufriu un rexoxó,
Nunca fui senó príncepe - todos eilhes príncepes - na bida...

Quien me dira oubir d'alguien la boç houmana
Que cunfessasse nó un pecado, mas ua anfámia;
Que cuntasse, nó ua biolencia, mas ua cobardie!
Nó, son todos l Eidial, se ls oubo i me fálan.
Quien hai neste lhargo mundo que me cunfesse que ua beç foi malo?
Á príncepes, mius armanos,

Arre, stou farto de meidiuses!
Adonde ye que hai giente ne l mundo?

Anton sou solo you que sou malo i dou erros nesta tierra?

Poderán las mulhieres nun ls habéren amado,
Puoden haber sido atraiçonados - mas rediclos nunca!
I you, que tengo sido rediclo sin tener sido atraiçonado,
Cumo puodo you falar culs mius superiores sin m'angasgar?
You, que bengo sido malo, lhiteralmente malo,
Malo ne l sentido mesquino i anfame de la maldade.

Fernando Pessoa (Álvaro de Campos)




[An pertués:

Poema em linha recta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cómico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um acto ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e erróneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.

Fernando Pessoa (Álvaro de Campos)]

6 comentários:

Almendra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Almendra disse...

Firmino,
Ye lindo esse poema, mas tenes que tener un pouco de cuidado nas traduçones, nun ye para te creticar, mas cumo porsor, para te ajudar a fazer ls trabalhos de casa. You sei que ye deficele, mas deixo eiqui ua eideia:
Bamos a criar un sitio para, ls que ampéçan a screbir, podéren poner ls testos para séren corregidos ou antoce deixar-los cumo rascunhos ne l frolesmirandesas i dar a trés ou quatro de ls mais antendidos, l poder ls eimendar.
Fernando Pessoa bai a ser tema amportante ne ls próssimos tiempos, por esso la sue obra bai a tener mais besiblidade, mas nun ye fácele de traduzir i muito menos de eimitar. Que Fernando Pessoa sírba para poner muita giente a pensar i nó para se aporbeitáren del para séren l que el tanto creticou.

Ana disse...

Biba, Fir,

Fui a ber por eisemplo que traduçon dá l Tradutor an linha (linha percisamente!) para essa palabra « linha » que aparece ne l títalo desse poema de A. de Campos i berifiquei aqueilho que yá çcunfiaba. Diç-se « linha » tamien an sendinés (cula bogal « i » pernunciada de maneira algo defrente de l pertués) i « lhinha » an mirandés (cul l palatal ne l ampeço de la palabra).
« Leinha » ou « lheinha » ye pul cuntrairo la traduçon de la palabra pertuesa « lenha ».

Al cuntrairo de l que se ten dito por bezes aqui, you acho que nun hai que heisitar a outelizar ou berificar tamien cun essa ferramienta bien preciosa, que ye l Tradutor an linha, l que queremos screbir an mirandés. You ye l que fago. Nien siempre mas acuntece porque sei que tamien ajuda.

Tamien acho que nun custa nada splicar i ajudar quando un puode, i you até ajudaba mais se pudisse i se soubisse mais que l que sei...

Buona cuntinaçon, Fir.

Ana disse...

Puode l Tradutor nun ser purfeito mas ajuda cun certeza.

Fir disse...

Buonas tardes, Almendra.

Ls mius erros dében-se, las mais de las bezes, a falta de coincimiento i nun a falta de cuidado. Por esso, anquanto aprendiç de mirandés, agradeço todas las correçones que me fúrun feitas, yá que eilhas me ajudaran a aprender.

De resto, sei que Pessoa ye un outor defícele, mas nun sei porquei, acho que aprendo mais se nun screbir ó traduzir apenas testos fáceles.

Abraço.

Fir disse...

Buonas tardes, Ana.

Agradeço-bos l reparo, ye corregi la "leinha" para "linha".

Un abraço.