11/12/10

Stranho die a die



Todos ls dies bou de camboio para Lisboua i l jornal DESTAK fai-me cumpanha i quando me sporcato yá stou ne l çtino. Leio las nuobas i outras cousas. Achei anteressante la crónica que ende bai. Nun sei se la traduçon stá a la'tura de l Cronista mas assi i todo ende bai i apuis tamien bai an pertués para nun haber çculpas.
Buonas leituras



Stranho die a die

Schadenfreuden
Schadenfreuden ye ua palabra almana que çcribe l sentimiento de gozo cun la zgrácia alhena. Nun ye fácele ancuntrar traduçones, rezon porque essa mesma palabra se usa noutras lhénguas para nomear tal sentimiento. Nun la ousamos an pertués, mas tenemos la querida ambeija que ye l mais grande de ls nuossos sentimientos çtrutibos.
Tener ambeija nun ye desear l que outros ténen, a esso chama-se cobiça, nin ye tener ciúme que cunsiste an tener miedo que outros róuben l que pensamos ser nuosso. L'ambeija questuma defenhir-se pula rezon de mos sentirmos mal cul bien d' outros. Mas se fusse solo esso, l'ambejoso nun serie mais que un zgraçiado.
L porblema de l'ambejoso ye que, quando bei un qualquiera cun mais puosses ó cumpeténcias, nun admite ser anferior. L que faç, anton, ye atentar çtruir aqueilhes que son melhores. Faç-lo mas dun modo resbelgado i eineficaç, ponendo ne l semelhante todos ls defeitos que puoda eimaginar. Al fazé-lo, queda ciego pa l real. De berdade, l'ambeija ten raiç na spresson lhatina invidia, que quier dezir malo oulhado.
Çtruído l semelhante, ainda que solo an eimaginaçon, l ambejoso puode al fin deleitar-se cul supuosto mal de l'ambejado, ó seia, ten dreito al sou shadenfreuden. Mas cumo nun tenemos palabra para este sentimiento sádico, fai-se ancuncientemente. Quier dezir que aqueilho que ls almanes fázen cun cuncéncia i eificácia, fázen ls ambejosos pertueses ancuncientemente i sin resultado. Ne l fondo, somos masoquistas porque dambas las cousas mos çtrúen.





[Estranho Quotidiano

Schadenfreuden
Schadenfreuden é uma palavra alemã que designa o sentimento de prazer com a desgraça alheia. Não é fácil encontrar traduções, pelo que a mesma palavra se usa noutras línguas para nomear tal sentimento. Não a usamos em português, mas temos a querida inveja que é o maior dos nossos sentimentos destrutivos.
Ter inveja não é desejar o que os outros têm, o que se chama cobiça, nem é o malfadado ciúme que consiste em temer que os outros roubem o que pensamos ser nosso. A inveja costuma definir-se pelo facto de nos sentirmos mal com o bem dos outros. Mas se fosse só isso, o invejosos não seria mais do que uma desgraçada vítima.
O problema do invejoso é que, quando vê alguém com mais posses ou competências, não se admite inferior. O que ele faz então é tentar destruir aqueles que são melhores. Fá-lo porém de um modo enviesado e ineficaz, colocando no outro todos os defeitos que possa imaginar. Ao fazê-lo, porém, ele fica cego para a realidade. De facto, a inveja deriva da expressão latina invidia, que quer dizer mau olhar.
Destruído o outro, ainda que em imaginação, o invejoso pode finalmente deleitar-se com o suposto mal do invejado, ou seja, tem direito ao seu shadenfreuden. Mas como não temos palavra para este sentimento sádico, fazêmo-lo inconscientemente. Quer dizer que aquilo que os alemães fazem com consciência e eficácia, fazem os invejosos portugueses inconscientemente e sem resultado. No fundo, somos masoquistas porque ambas as coisas nos destroem.
J. PIO ABREU-Psiquiatra e Professor Universitário ]





4 comentários:

Adelaide Monteiro disse...

Mui bien bido.
Será que ls ambejosos se dan de cuonta que l son?

Tanta i tan junta que ye cumo l pan mui junto:
Nun bota grano!
Nun ye cun l´ambeija que la senara grana mais!...

Bs

Delaide

Almendra disse...

Cada un bei ls outros cunsante la sue bison i antendimento de l mundo. I nun ye por se ser psiquiatra que se ten melhor bison.
L maior defeito que ten ua pessona ye pensar que ye un ser suprior, ou que ye tan amportante que cuida que ls outros l'ambídean(le ténen ambeija).
Será que esse tiu yá pensou porque na nuossa lhéngua nun hai essa palabra?
Parece que a el le fizo falta, talbeç porque sabe bien l que ye esse sentimento.
Nun serie melhor studar porque hai ciertos cumportamentos?
Nun serie melhor, que antes de quedar a pensar mal de ls outros, farie melhor perguntar-se se nun ye el que stá arrado?
Se you dou ua pedrada a un perro i apuis el me ladra, mal me bei, será que ten ambeija de mi?
Quien stá arrado you ou l perro?

ACangueiro disse...

Almendra,
podeis nun star d'acordo cun l Tiu mas bós sabeis mui bien que l'ambeija faç parte de la nuossa maneira de ser i star, até se diç: nun se puode ber un probe cun la camisa labada.
Quando un probe cunsegue algue cousica mesmo que seia cun l sou muito trabalho i sien ayuda de naide, hai siempre ua pontica de ambeija.
Para nun falar de outros mas si de mi, anquanto you tenie camaradas que íban pa l café a buer uas cerbeijas i jogar cartas, you gastaba l miu tiempo lhibre i muitas nuites a ir pa l liceu i apuis pa la Ounibersidade i ls fin de sumana agarrado a lhibros que cumo bós bien sabeis ls cursos eisigen muito sfuorço personal i da famílha.

Abraço,
António Cangueiro

Almendra disse...

Antonho,
You sei bien que sós buona pessona, mas çculpa que te diga que esses ditos dezideiros son fruito de ua cultura, mas puodes acraditar que nun ye la cultura de la maiorie de la giente. La maiorie de la giente nien sabe ls ditos, nien ten tiempo de pensar neilhes, nunca tubo possiblidades de pensar, mas hoije ye çfrente. Deixemos-los pensar, esso yá nun anganha naide. La giente buona alegra-se cul bien de ls outros, ye esso que debemos dezir.