05/02/19

Parabienes a todos







Parabienes al Persidente de la “Casa de Trás os Montes e Alto Douro” – CTMAD – de Lisboua Drº Hirondino Isaías por mais esta einiciatiba ne l salon Amadeu Ferreira que tubo cumo tema ls festeijos de ls “20 anhos d’aprobaçon de la lei 7/99, de 29 de Janeiro, q'aprobou la Lhéngua Mirandesa cumo 2ª Lhéngua Ouficial de Pertual (20 Anos da Aprovação da Lei 7/1999, de 29 de Janeiro, que aprova a Língua Mirandesa como a 2.ª Língua Oficial de Portugal).
De parabienes stá tamien l Drº Júlio Meirinhos – l perponiente n’Assemblé de la República hai bint’anhos – que splicou a toda la quemunidade – assemblé – que staba persente, las çficuldades i atalancadeiros que fui perciso bencir, las pessonas que tubo q’ajuntar para que se fazisse la Cumbénçon Ourtográfica de la Lhéngua.
Porque sien estes dous fincones nada se podie fazer i todo se podie perder.
Porque siempre acreditou, porque muitos mirandeses acreditában que se podie i tenie que se fazer algue amportante par’hounrar ls nuossos antepassados, ls falantes, la cultura, nunca abaixou ls braços, lhuitou i cumbenciu outros a caminar a la par.
Hoije ende stá la Lhéngua Mirandesa oufecializada, cua Cumbençon para que l ansino q’ampeçon an 1986 cul porsor Domingos Raposo nas scuolas de Miranda de l Douro cuntine pul mundo afuora, cumo ye l causo de ls cursos que se fazírun i fázen na CTMAD.
Parabienes pul’eicelente anterbeçon al Drº José Pedro, porsor i lhénguista, que siempre que bota falas neste tema de las ouriges i ampeço de las palabras mos pon a gustar de la lhéngua cumo mais naide l fai.
Parabienes als porsores António Cangueiro, Adelaide Monteiro i ls alunos de l Curso de Lhéngua i Cultura Mirandesa, pul acarinamiento i upas que dán para q’este património seia ua rialidade.
Bien háiades todos, que Dius bos l pague por mais este momiento. Momiento tan guapo i gustoso, you nunca squecerei. L buosso ampeinho nunca será ambalde.
L caminho fai-se als cachicos.
Ancerro este pequeinho teçtemunho de l que ende bibi, culas palabras de l palhestrante: 
“Aqueilhes que nun acreditórun, anganhórun-se” Biba la Lhéngua Mirandesa.  

31/01/19

Inda subre la era de ls 20 anhos de l'oufecializaçon de la Lhéngua Mirandesa



A Direcção da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro por ocasião dos 20 Anos da Aprovação da Lei 7/1999, de 29 de Janeiro, que aprova a Língua Mirandesa como a 2.ª Língua Oficial de Portugal, endereça os Parabéns ao Concelho de Miranda do Douro, ao proponente da Lei, Dr. Júlio Meirinhos, e a todos os Mirandeses espalhados pelo mundo!

A Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro no próximo dia 4 de Fevereiro, pelas 18h00, organiza uma Cerimónia Comemorativa desta data na Sede da CTMAD com a presença do Dr. Júlio Meirinhos, Dr. Zé Pedro Ferreira, Professores de Mirandês António Cangueiro e Adelaide Monteiro, os alunos do Curso de Mirandês, membros da Associação da Lhéngua Mirandesa e todos aqueles que se quiserem juntar a esta Festa do Mirandês!


https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/mirandes-mentor-da-lei-apela-a-politicos-para-que-ajudem-a-promover-a-lingua

29/01/19

Anterbista an pertués/ Entrevista em português



Ensino em Lisboa tem "bastante" procura por mirandês apesar da falta de apoios.

Vinte anos após o reconhecimento do mirandês como segunda língua oficial em Portugal, em Lisboa tem "bastante" procura, apesar da falta de apoios de que se queixam os seus divulgadores.

 
 Numa pequena sala da Casa de Trás-os-Montes em Lisboa, funciona à segunda-feira e em horário pós-laboral uma aula de língua mirandesa, onde até um aluno francês de Erasmus já se inscreveu para aprender esta língua falada no nordeste transmontano.

Antes de dar início a mais uma aula, António Cangueiro, professor de mirandês, falou à Lusa sobre este seu percurso, que começou ainda com o escritor, professor universitário, estudioso e divulgador da língua mirandesa Amadeu Ferreira, que instituiu o curso em Lisboa há dez anos.

"O primeiro ano ainda foi com Amadeu Ferreira, ele vinha dar literatura e eu e outro amigo, Francisco Domingues, vínhamos dar as classes", lembrou.

A funcionar há dois anos na Casa de Trás-os-Montes, as aulas de mirandês são atualmente lecionadas em conjunto com outra professora, Adelaide Monteiro, e "a procura tem sido bastante", assegura.
"A prova está aqui nos cursos da Casa de Trás-os-Montes. No ano passado findaram o curso 15 alunos, um deles era de origem francesa, que veio fazer Erasmus e teve interesse, matriculou-se e frequentou o curso", contou, assegurando que "há muito interesse desde que a língua foi aprovada como língua oficial".

No entanto, faltam apoios do Estado: "a língua mirandesa não tem qualquer apoio oficial", alertou.
"Eu venho para aqui a minhas despesas, a outra amiga vem cá por iniciativa própria, a Casa de Trás-os-Montes abre-nos a casa para darmos aqui o curso, mas o esforço é nosso, é pessoal, a nível do Estado não tem havido apoio nenhum para este curso, e é pena", lamentou António Cangueiro, apoiado por alunos, de todas as idades, que iam chegando e se juntavam à conversa.

Recorda também que no ano passado, alguns representantes do Parlamento Europeu estiveram em Miranda do Douro a fazer uma auscultação à população e às escolas, "para que o Estado assinasse a Carta Europeia das Línguas Minoritárias, porque se assinar essa carta compromete-se com alguma coisa, algo que não tem feito e continua a não fazer". 

Para este professor é difícil compreender como é que o Estado aprova uma língua e depois não cria normas nem apoios financeiros anuais para a língua se poder divulgar.

Apenas em Miranda do Douro existe um professor no ensino oficial, que "é colocado todos os anos e mesmo assim é uma dificuldade enorme para ele ser colocado".

Em Lisboa, o custo das aulas é cinco euros, um valor "simbólico" que mais não é do que uma "ajuda para pagar a luz", refere. 

A maior parte dos alunos ali inscritos mora na zona de Lisboa e inscreve-se sobretudo por curiosidade, mas também já houve alunos transmontanos e alentejanos, quase todos com formação superior, descreve António Cangueiro, traçando um perfil dos alunos.

Leonardo Antão é um desses alunos, e o mais antigo em Lisboa, tendo começado a aprender nos primeiros cursos ministrados por Amadeu Ferreira.

"Procuro vir todos os anos, pelo amor que tenho à língua mirandesa, porque a aprendi em pequenino, ao colo da minha mãe, que falava só língua mirandesa e que era, por ironia do destino, analfabeta, mas a língua dela era o mirandês".

No extremo oposto, Gerson Costa é o aluno mais recente do curso. Inscrito desde dezembro do ano passado, este jovem, dono de uma empresa de tradução, descobriu casualmente, através da página do Facebook, que a Casa de Trás-os-Montes lecionava aulas de mirandês e que esta era a segunda língua oficial portuguesa. 

Assegura que não foi por motivos profissionais, apenas por curiosidade pessoal, que se inscreveu, porque, já que está no campo das línguas, achou que "ficava bem, pelo menos, entender aquilo que é dito na outra língua portuguesa do país".

E é nessa mesma lógica, que Gerson Costa tem dificuldade em entender como é que uma língua oficial, não o é na prática.

"Começa a haver literatura, as pessoas continuam a falar mirandês em casa, os mais velhos falam, mas para isso não era preciso ser uma língua oficial, não era preciso regulamentar. Para ser uma língua oficial, precisa de ser falada na Câmara Municipal, precisa de ser falada nas assembleias de Junta de Freguesia, precisa de ser falada no tribunal da cidade, e isso falta".

O presidente da Casa de Trás-os-Montes, Hirondino Isaías, mostra-se empenhado na divulgação do mirandês, razão por que assinou um protocolo com a Associação de Língua Mirandesa, no sentido de criar este curso.

No entanto, queixa-se da falta que faz "o poder central dar o passo definitivo, que é o Ministério da Cultura aprovar uma pequena verba para a divulgação ao nível das escolas" em outros concelhos do país, como acontece em Miranda do Douro.

A língua mirandesa é uma língua oficial de Portugal desde 29 de janeiro de 1999, data em que foi publicada em Diário da República a lei que reconheceu oficialmente os direitos linguísticos da comunidade mirandesa.