21/11/19

Mecánico d’altemobles





 
À las puortas de l cielo.

Un home mui anraibado, ralhaba cun San Pedro.

-          Miu bun Santo, l que fiç you de malo na tierra para star eiqui agora?

-          Tengo solo 35 anhos d’eidade, stou bien de cuorpo, nun m’amborracho, hai muito tiempo - por bias de las manhas de la mie tie, que diç que l persunto i l salpicon fázen mal a la salude - que nun como, fago la dieta mediterránica, muito arroç, nun sou fumador de cigarros, fago ua bida segun las buonas reglas i questumes.
-           Nunca m'antolhei por más naide que nun seia la mie mulhier.

-          Ye berdade que nun me tengo cunfessado.



I agora stou eiqui!

Pula cierta esto fui un anganho!

San Pedro respundiu-le:

-Buono, nun ye questume nós cometermos erros desses, bou-me a ber!



Qual ye la tue graça?

- Chamo-me Bicente, Juan Diogo.

-Si… I oufício?

-Mecánico d’altemobles.

-Mui bien, acá stá la tue fixa.

Juan Diogo Bicente, mecánico d’altemobles!

-Tu morriste-te de belheç!

-De belheç?!

Mas you l más que tengo ye 35 anhos….

- Ah esso you nun sei, mas fazendo las cuntas i la soma de las horas de mano-de-obra que fatures-te, que quebres-te als duonhos de ls altemobles, esso fai ua cunta de 125 anhos!

16/11/19

Ua lhona




Cumbersa antre un marineiro i un pirata.

Un marineiro i un pirata ancuntrórun-se nun bar i, antre ua ou dues garrafas de RHun, ampeçórun a falar de las abinturas que bibíran por esse mares por eilhes nabegados.

L marineiro biu que l pirata tenie ua pierna de palo, un gancho an beç de la mano dreita i ua pala de bezerro nun uolho.

Curjidoso, percurou-le:

Porquei tenes ua pierna de palo?

L pirata splicou:
-Nós stábamos ne l meio de ua termienta ne l mar, ua baliente óndia que passou po riba de l nabiu i atirou-le al mar. Ende staba un cardume de tubarones, lhuitei lhuitei i tornei al nabiu, mas un deilhes abocanhou-me la pierna.

Que cuonta baliente!
I l gancho?
Fui tamien culpa de l tubaron?
-Nó, l gancho fui outra cuonta. Fui quando mos acerquemos dun nabiu einemigo i, anquanto lhuitábamos, fui arrodeado por quatro marineiros. You fui capaç de bencir trés deilhes, mas un çafardanas dou-me ua spadada na mano.

I l uolho?
-Ah esse fui ua gaibota. Cagou-me nel.

I quedeste sien l uolho só por causa de la merda, de l cagado d’abe?

Era l purmeiro die que tenie l gancho.


10/11/19

Sposiçon







Fui cumbidado a star, çponer ls mius lhibros.


Na “II Amuostra Eitenografica” ua einiciatiba cultural pormobida pula “ aesca - Associação Espaço Sociocultural Adorar Artes “ ne l die 27 d’Outubre ne l Pabilhon Multiusos na Quinta da Marialba an Corroios.

Cumbite feito pulas respunsables i derigientes dest’Associaçon, porsoras Doroteia Costa i Margarida Grossinho.

La porsora Doroteia Costa mulhier que se ten çtacado pul trabalho i dedicaçon a la cultura, artes i associatibismo de la region.

Assi cumo l porsora  Margarida Grossinho na área de studos de porjetos, puis stubo lhigada al studo de l porjeto d’ampacto ambiental de la IC5, que cumo to l mundo sabe lhiga de l “Alto do Pópulo a Dues Eigreijas-Miranda de l Douro” que tubo la publicaçon an bilhingue, traduçon feita pul nuosso bien coincido, studioso, cronista i porsor António Bárbolo Alves.

Mulhier que nun tenendo ouriges na region mirandesa nien stamuntana ye apaixonada pul mirandés, pula nuossa lhéngua, lei todo l que puode i l tiempo lhibre permite, merca lhibros, scribe ansaios cun base ne l social. L redadeiro ansaio que screbiu – talbeç un die quede a público – fui feito apuis de l salimiento, publicaçon i leitura de l remanse “ La Galhega ”, que ten todo l social i geográfico lhigado a la barraige i tierra de Miranda, las demudas que porbocou nas gientes de ls alredrores.

Cumbite que aceitei de bun gusto, porque fui la purmeira beç i iba a tener la possiblidade de la lhéngua mirandesa – cultura – atrabeç de la scrita, de ls lhibros spostos chégaren a muita giente que por ende passou, que doutro modo nun l podien fazer, puis era tamien die de las atebidades eiquenómicas – benda - que se fai to ls últimos deimingos de cada més neste spácio.

Ende muitas fúrun las pessonas que tubírun cuntato culs lhibros –  cun curjidade i ganas de saber, alhá fúrun birando alguas páiginas, tentando fazer lheitura de l que bien screbido, outras balorizando estas einiciatibas an público – mas ua cousa you quedei a saber.

Mesmo que to l mundo saba que la Lhéngua Mirandesa yé ua Lhéngua Oufecial de Pertual, inda ándan muitas pessonas, que çcoinhécen, nun fázen eideia de l caminho que la Lhéngua fizo anté eiqui, de l que se stá fazendo i inda stá pur fazer.

Ye ua oubrigaçon de todos ls que sáben, cumo quien diç nuosso deber, cuntinar, trabalhar, para que este património cuntine a fazer camino cumo fizo ne ls redadeiros anhos.


Cuido que baliu la pena, stan de parabienes la “aesca”, l mirandés, la scrita. 



Faustino Antão

13/09/19

L jornal "Público" publicou...



Ainda não há manual de Mirandês, apesar de língua ser leccionada há 34 anos

Os responsáveis pelo Agrupamento de Escolas de Miranda do Douro (AEMD) reclamam do Governo “mudanças significativas” para o ensino do mirandês, a começar pela elaboração de manuais próprios para leccionar a segunda língua oficial em Portugal.
“Na maioria das disciplinas, o Ministério [da Educação] assegura o empréstimo dos manuais escolares aos alunos. No caso do mirandês, são os professores a criar a suas próprias ferramentas e metodologias de ensino. A disciplina de Língua e Cultura Mirandesa torna-se numa situação complicada, porque não existem no mercado livros que possam ser adaptados para o ensino desta cadeira”, disse à Lusa, o presidente do AEMD, António Santos, no arranque de mais uma no lectivo.
Para o docente, esta situação da falta de manuais de ensino em mirandês não é só um problema do Governo, mas também dos agentes locais e da falta de financiamento para a sua elaboração e aquisição. “Reconhecemos que somos uma população escolar reduzida e aqui não impera a lei do mercado. Ninguém vai fazer livros para ganhar dinheiro. O que é um facto, mais uma vez, é que os alunos não vão ter acesso a manuais escolares para a disciplina de mirandês, que é facultativa”, concretizou António Santos.
Segundo o responsável pelo AEMD, todos os anos os professores de Língua e Cultura Mirandesa têm de preparar os seus materiais pedagógicos, uma situação “que rouba bastante tempo ao seu percurso de ensino da disciplina”.
“Nós contribuímos muito com o orçamento das escolas, que já é muito escasso, para elaboração das materiais de ensino, como é caso das fichas de trabalho. Os professores de mirandês trabalham muito com fichas de ensino que são fotocopiadas, uma situação desgastante para os docentes, que têm níveis de ensino desde o pré-escolar até ao 12.º ano e não uma solução cabal para este problema”, enfatizou o também professor.
Passados mais de 34 anos sobre a primeira aula leccionada em mirandês, actualmente, num universo de 611 alunos, há 404 estudantes que este ano lectivo se matricularam na disciplina de Língua e Cultura Mirandesa, apesar de ser opcional. “Houve uma ligeira subida face ao ano passado, o que contraria uma tendência negativa que se vinha verificado com a perda de alunos. Nem que esse aumento fosse apenas de um aluno já ficávamos satisfeitos”, frisou.
O presidente do AEMD defende que é preciso ter um corpo docente estável, para leccionar a cadeira de Língua e Cultura Mirandesa, nomeadamente com professores do quadro, já que “não há nenhum grupo de professores para esta disciplina”.
“Esta situação não garante estabilidade profissional aos docentes. Este ano temos professores para esta disciplina. Porém, no próximo ano, podermos não ter docentes, até porque poderá surgir uma situação que lhes seja mais favorável e o projecto de ensino do mirandês pode ficar comprometido”, observou António Santos.
Mesmo com estas adversidades, o AEMD, garante que o ensino do mirandês está “consolidado” nas escolas do concelho transmontano como disciplina opcional, que começou a ser leccionada no ano lectivo de 1986/87 com nove alunos do 2.º ciclo.
Segundo os registos fornecidos à agência Lusa, o ano lectivo em que houve mais alunos matriculados na disciplina foi em 2013/14, com um total de 495 alunos, que representam 66% do total dos 753 alunos inscritos nesse ano no AEMD. Desde o ano lectivo 2009/2010 que o ensino do mirandês é feito de forma contínua, desde o pré-escolar até ao secundário. No entanto, nos últimos tempos, foi dado um passo tido como determinante, que passa pela formação de professores de Língua e Cultura Mirandesa. O protocolo foi assinado e envolve instituições académicas, Governo e autarquia.

(do Público, 12-09-2019)

10/09/19

cumbite / convite





Para quien puoda, eiqui bai ua sugeston para oubir cumo naciu un lhibro, l que ten esse lhibro i qual ye la tradiçon de la gaita.
Arrimai-bos a ls "nuossos" sonidos más berdadeiros, na Quinta que ben, die 12, na Reitoria de la Ounibersidade de l Porto.
 
Saludos
Alcides Meirinhos

 
Associaçon de la Lhéngua i Cultura Mirandesa
Zde 5/04/2002
Casa de la Lhéngua Mirandesa - Rua da Costanilha, 9
5210-190 Miranda do Douro

26/08/19

Parabienes




Parabienes a la crónica screbida na Fuolha Mirandesa.

Spácio que hai ne l Jornal Nordeste.

Al sou outor porque stá bien screbida. I tamien porque ye esse l berdadeiro oujetibo desse mesmo spácio, dibulgar l que se fai na cultura i an special an mirandés.

Ls leitores (cuido you ) que jústan de ler la crónica mirandesa (la Fuolha) sparguidos pul mundo quieren saber l que se passa i se bai fazendo por esta fala i scrita. I esso solo ye possible s'eiqui fúren publicados als eibentos i einiciatibas.


http://www.jornalnordeste.com/



22/08/19

La "Rádio Brigantia" dibulga








A publicação foi escrita por um filho das Terras de Miranda e conta várias histórias das suas vivências.

Chama-se “Histórias Antigas Sem Bolor” o sétimo livro do mirandês Faustino Antão. Com 70 anos, o autor deixa agora publicadas as várias vivências que já soma e reporta-se ainda a inúmeras tradições das terras de Miranda. 
Uma das histórias que Faustino recorda com saudade, e uma das suas preferidas, é partilhada no livro. “Quando íamos às ceifas, íamos almoçar, ao meio-dia, para a sombra de uma árvore, e ao estendermos a manta para comer as formigas aproximavam-se porque queriam comer. O meu pai esmigalhava pão para o chão para elas se entreterem e não nos consumiam a nós e deixavam-nos comer o almoço sossegados”.
O autor, natural de Genísio, uma localidade com 230 habitantes, teve como objectivo deixar um testemunho escrito das suas histórias e das dos seus antepassados de modo a preservar também o mirandês. “O livro representa deixar de um testemunho escrito. O futuro não nos iria perdoar se deixássemos morrer este património. Uma língua falada morre se não tiver o acompanhamento da escrita. Escreve-lo é a forma de o levar mais longe no tempo”, explicou Faustino Antão.
Faustino Antão assume que vai escrever enquanto tiver motivação.

Escrito por Brigantia

Jornalista: 
Carina Alves e Ângela Pais