04/07/09

Tourada




Nun amporta sol ó selombra
Camarotes ó barreiras
Toureamos ombro a ombro las fieras
Naide mos lhieba al anganho
Toureamos mano a mano
Solo mos puoden causar danho, speras

Éntran cascabeles, chocas i capotes
I mantilhas pretas
Éntran spadas, cuornos i derrotes
I alguns poetas
Éntran brabos, crabos i dichotes
Porque todo l mais son tretas

Éntran bacas depuis de ls forcados
Que nun pégan nada
Sónan brabos i olés de ls nabos
Que nun págan nada
I solo quédan ls peones de brega
Que la profisson nun pega

Cun bandarilhas de sperança
Scamugimos la fiera
Stamos na praça de la Primabera
Nós bamos a pegar l mundo
Puls cuornos de la zgrácia
I fazermos de la tristeza grácia

Éntran bielhas, boubas i turistas
Éntran scursones
Éntran benefícios i cronistas
Éntran aldrabones
Éntran marialbas i coristas
Éntran galifones de crista

Éntran cabalheiros a la garupa
De l sou heiroísmo
Entra aqueilha música maluca
De l passodoblismo
Entra la aficionada i la caduca
Mais l snobismo i cismo

Éntran ampresários moralistas
Éntran frustraçones
Éntran antiquários i fadistas
I cuntradiçones
I entra muito dolar, muita giente
Que dá lucro als milhones

I diç l anteligente que acabórun las cançones

Lalalala lala lala lala... lalala lala...
Lalalala lala lala lala... lalala lala...
Lalalala lala lala lala... lalala lala... la la...

Lalalala lala lala lala... lalala lala...
Lalalala lala lala lala... lalala lala...

Ary de l Santos



[An pertués:

Tourada

Não importa sol ou sombra
Camarotes ou barreiras
Toureamos ombro a ombro as feras
Ninguém nos leva ao engano
Toureamos mano a mano
Só nos podem causar dano, esperas

Entram guizos, chocas e capotes
E mantilhas pretas
Entram espadas, chifres e derrotes
E alguns poetas
Entram bravos, cravos e dichotes
Porque tudo mais são tretas

Entram vacas depois dos forcados
Que não pegam nada
Soam bravos e olés dos nabos
Que não pagam nada
E só ficam os peões de brega
Cuja profissão não pega

Com bandarilhas de esperança
Afugentamos a fera
Estamos na praça da Primavera
Nós vamos pegar o mundo
Pelos cornos da desgraça
E fazermos da tristeza graça

Entram velhas, doidas e turistas
Entram excursões
Entram benefícios e cronistas
Entram aldrabões
Entram marialvas e coristas
Entram galifões de crista

Entram cavaleiros à garupa
Do seu heroísmo
Entra aquela música maluca
Do passodoblismo
Entra a aficcionada e a caduca
Mais o snobismo e cismo

Entram empresários moralistas
Entram frustrações
Entram antiquários e fadistas
E contradições
E entra muito dólar, muita gente
Que dá lucro aos milhões

E diz o inteligente que acabaram as canções

Lalalala lala lala lala... lalala lala...
Lalalala lala lala lala... lalala lala...
Lalalala lala lala lala... lalala lala... la la...

Lalalala lala lala lala... lalala lala...
Lalalala lala lala lala... lalala lala...

Ary dos Santos]



1 comentário:

Almendra disse...

Sabes ua cousa Firmino, inda bien que hai homes balientes cumo Bernardino Soares, que nun tubo miedo, mas yá stá marcado.
You tamien nun l tengo i la EDP tamien anda a fazer grandes obras ne l Praino.