24/03/12

COOPERATIVA RIBADOURO

.
A LA CUNQUISTA DE L’EIBARESTE
.
.

Ls binos de l Praino fúrun a la cunquista de l’Eibareste, la muntanha mais alta de l mundo. Ye l purmeiro bino ouropeu a antrar ne l Nepal. La cultura mirandesa tamien yá stan alhá pula mano de l nuosso bino. Ye la marca “pauliteiros”, a seguir será la “lhéngua mirandesa”.
Para la nuossa Copratiba i para ls nuossos binos yá nun hai raias na tierra. Apuis de ls Heimalaias, solo falta antrar nas cabeças de ls senhores de la politica de l cunceilho, adonde nun se cunsigue antrar.
Fui antes i ye agora. Ban dando uns arrebuçadicos, mas lhíeban mais an bino i pormoçon.

5 comentários:

Fronteiras historiasdaraia disse...

Pena que sendo vinhos tão bons, não façam pelo menos uma edição em mirandês. Eu de certeza iria comprar. Porque o mirandês tem de ser normalizado não apenas na recuperação da língua, no ensino ou na literatura, mas também na empresa.

Quantos portugueses que não sabem da existência da língua mirandesa não ficariam gratamente surpreendidos quando visitassem o «Praino» ver um vinho com a etiqueta inteiramente em mirandês? E os espanhóis que habitualmente nos visitam? Na Escócia têm muito sucesso os uísques com etiqueta em gaélico escocês que são os mais vendidos para próprios e visitantes.

Aí fica a sugestão, o que não quer dizer que não continue a deliciar-me com estes vinhos tão bons e uma posta mirandesa quando visito a Terra de Miranda.

Buonos dies i que Dius bos l pague!

Almendra disse...

Amigo Fronteiras,
Yá zde 2002 que la Dega ten un bino cula marca "Lhéngua Mirandesa", nua einiciatiba de loubar a la direçon desse tiempo. Nós demos-le bida a essa marca i yá stá pul mundo todo.
Reza assi ne l rotulo que stá nas dues lhénguas de Pertual:
"subre l mirar curjidoso i afilado de ls cuorbos i aiglas caçadeiras de l Praino Mirandés, onde se stende l cochino brabo, la raposa, l lhobo an scapadelas de relhance i ls mais bariados animales i abes salbajes, al Sol rechinado dun Berano scaldante i duro Ambierno, medra la binha rasteira cun las ubas de la tierra, donde mana l mais fino, ameroso i apaladado bino "Léngua Mirandesa".
L bino ye bendido an garrafa i an "bag-in-box" de trés litros.
Porque neilhas ponemos de ls nuossos melhores binos, para ombrear cula denidade de l nome, ye mais caro.
Talbeç seia ua de las rezones porque muitos nul gásten nien l déien a coincer miesmo ls que dízen séren ls que mais áman la lhéngua mirandesa.
Cuido que poucos deilhes lírun l rotulo(de l lhatin - rotulu).
Dius bos l pague pul buosso comentairo.
Almendra, persidente de la Dega(Cooperativa Ribadouro)

Fronteiras historiasdaraia disse...

Como defensor de todas as línguas minoritárias e menorizadas, gosto quando há iniciativas no sentido de normalizar a língua em todos os âmbitos da vida. Por isso fico muito contente por existir realmente um vinho com a sua rotulagem em mirandês.

Na Páscoa vou dar um pulinho do Alentejo raiano onde estou a morar agora, para o Norte, incluindo Trás-os-Montes. Vou comprar de certeza o vinho indicado. Sei que os vinhos «de l Praino» são bons, como apreciador de vinhos que sou, pelo que com certeza vou adorar, é claro!

Obrigado pela dica e continuem com o vosso labor de divulgação da língua e cultura mirandesa. Eu sou fã!

Ls mius botos dun bun sucesso pula lhuita por besibelizar la lhéngua mirandesa!

leonardo antao disse...

Buonas nuites amigo Fronteiras:

Gustei muito de las buossas palabras, an special deste cachico, “continuem com o vosso labor de divulgação da língua e cultura mirandesa. Eu sou fã!”

Ls mius botos dun bun sucesso an todos ls buossos lhabores,

Un abraço,
Leonardo

leonardo antao disse...

Buonas nuites amigo Almendra:

Parabienes a todos ls de la Coperatiba Ribadouro que trabalhórun para que l bino Pauliteiros, fusse l purmeiro bino ouropeu a antrar ne l Nepal.

Parabénes Almendra, pula dibulgaçon desta ambora

Un arrochado abraço,
Leonardo