28/07/20

Cumbite





Entrar na reunião
 Zoom
https://us02web.zoom.us/j/83143083614?pwd=Y2pnNnV2anFoQjRTbUNBUFZ5b1R2Zz09 

ID da reunião: 831 4308 3614

Senha de acesso: 239967
Dispositivo móvel de um toque +16465588656,,83143083614#,,#,239967#

Estados Unidos da América (New York) +16699009128,,83143083614#,,#,239967#
Estados Unidos da América (San Jose) Discar pelo seu local +1 646 558 8656
Estados Unidos da América (New York) +1 669 900 9128
Estados Unidos da América (San Jose) +1 253 215 8782
Estados Unidos da América (Tacoma) +1 301 715 8592
Estados Unidos da América (Germantown) +1 312 626 6799
Estados Unidos da América (Chicago) +1 346 248 7799
Estados Unidos da América (Houston) ID da reunião: 831 4308 3614
Senha de acesso: 239967
Localizar seu número local: https://us02web.zoom.us/u/kbBiazD8OM

15/07/20

Çtino. Çtinos... L lhibro que l "Cobid-19" parou



- Çtino. Çtinos... ye l títalo de l lhibro que tengo pronto para publicar, mas que por bias de l "Cobide-19" queda l sou salimiento para quando un die las cundiçones l permitíren.

Este pequeinho remanse celras – celras tamien se diç de las franjas de lhana de las canhonas que stan torcidas, l mesmo que tramas – ten cumo oubjetibo poner ls leitores i leitoras a pensar, ne l sufrimiento daqueilhes i daqueilhas que sendo defrentes éran eiguales na defrença, alguas geraçones datrás, que por bias de nun séren antendidos nien antendidas éran apartados i apartadas. Éran bítimas. Marcados ou marcadas cun melas que las quemunidades amponien. Cunceitos sociales q’atéiman an se mantener.

Tamien este lhibro ben ne l seguimiento de ls outros siete que publiquei, fazer l registro de todo un património lhenguístico que la lhéngua mirandesa ten.

Las cundiçones, ou seia l'eipedemie bieno assi anterrumper, l que benie fazendo ne ls redadeiros quatro anhos, la pormoçon dua atebidade lhigada a la cultura i salimiento dun lhibro an mirandés, aonde bibo, Corroios-Seixal i an Zenízio-Miranda de l Douro, mie aldé, tierra de nacimiento i criaçon, pulas fiestas de berano.

(Em português)
- Destino. Destinos...é o titulo do livro que tenho pronto para publicar, mas que por vias do "Covid-19" fica o seu lançamento adiado para quando um dia as condições o permitirem.

Este pequeno romance tramado - tramas também se diz da lã das ovelhas que está enrolada, lã grosseira - tem como objectivo pôr os leitores e leitoras a pensar, no sofrimento daqueles e daquelas que sendo diferentes eram iguais na diferença, algumas gerações atrás, que pela razão de não serem compreendidos eram postos de lado. Eram vítimas. Marcados ou marcadas com rótulos, marcas que as comunidades impunham. Conceitos sociais que teimam em se manter.

Também este livro vem no seguimento dos outros sete que publiquei, fazer registo de todo um património linguístico que a língua mirandesa tem.

As condições, ou seja a epidemia veio assim interromper, o que vinha fazendo nos últimos quatro anos,
a promoção de uma actividade ligada a cultura e lançamento de um livro em mirandés, onde vivo, Corroios - Seixal e, em Genísio - Miranda do Douro, minha aldeia, terra onde nasci e me criei, pelas festa de verão.

(alguas eilustraçones de l lhibro)







06/07/20




(Traduçon de l testo an pertués ambiado pul Dr. Jorge Lage ne l die 4 de Júlio)
(Tradução do texto em português enviado pelo Dr. Jorge Lage no dia 4 de Julho)



Ancantos i jóias
Hoije (4 de Júlio) celebra-se an to l mundo ua de las figuras mais ancantadoras de la Stória Pertuesa. Muitos screbírun subre eilha, mas la melhor biografie ye la publicada an 2011 pul storiador spanhol José Miguel Cermeinho-Sanç.
Yá adebinou?
Ye ua mulhier aparentada cun quaije to la rialeza ouropeia: abós húngaros i almanes, pai aragonés, mai de sangre alman i siceliano. Pul matrimónio cun D. Dinis, quedou lhigada a la corona pertuesa i andiretamente a las famílias riales francesa i castelhana. Tenie un porte eilegantíssemo, pelo claro, uolhos berdes, feiçones purfeitas. Ls cronistas de l’época fálan de la «de sue tamanha formosura, mui lhoubada nas cortes de ls reis i de ls príncepes».
Medie 1,76 m. Sabel era un zlhumbramiento, naqueilha época.
Sabie purparar-se, ousaba buonas bestimientas i jóias caras. Era reina a tiempo anteiro i nun deixaba qu'alguien tubisse dúbedas a esse respeito. Até al fin de la bida, assinou siempre «Sabel, reina de Pertual i de l Algarbe». Ouficialmente, ampeçou a ser reina als 11 anhos d'eidade, mesmo só tenga ampeçado a eisercer funciones quando antrou an Pertual, cun 12 anhos.
Ua traço de carátele que se çtacaba pul mando natural. Mandaba (mandou muito!), mas cua  ascendéncia tan fuorte que todos le reconhecian la lhiderança. L sposo dezie i repetie qu'eilha «naciu pa ser rei» (screbia assi, ne l masculino) i l pobo cuncordaba, porque Sabel nun percisaba d’agarrar ua spada para poner firme ls bassalos mais poderosos i ricos, pouco dados a oubedecer.
Naciu ne l tabrado de las zirras anternacionales. Talbeç por esso, tubisse un anstinto i ua halbelidade política tan straordinairos.
Naqueilha temporada, las famílias riales questumában casar antre eilhas, primos cun primos, de modo que l flagelo de la cunsanguenidade splica muita cousa. L causo de Sabel fui ua eiceçon. L sou própio matrimónio cul rei pertués fui un de ls poucos daqueilha temporada que nun percisou de çpensa Papal por rezon de cunsanguenidade. Por rezones de ls cruzamientos antre familiares próssimos ou de l modo cumo bibie la corte pertuesa, ou por bárias outras rezones que stában lhigadas, D. Dinis fui un home çcuntrolado, biolento ou, cumo l çcrebia Bitorino Nemésio, «bigoroso, cun ua eimaginaçon aguda i sensual; nun le faltában na sue própia casa eisemplos de bida regalada». Este luxo i essa luxúria nun ajudórun a formar ua personalidade íntegra i generosa. Desse çcuntrolo nacírun muitos filhos eilegítimos i cunfrontos sangrentos. Por outro lhado, segun ls dados çponibles, D. Dinis fui l purmeiro rei pertués que sabie ler, porqui se puode ber, l que era la rudeç anteletual daqueilha corte. Dona Sabel tenie outra formaçon. Sabie lhatin. Ai de ls curas, s’algua beç éran pouco rigorosos ne l lhatin, an persença deilha!
La stória çcribe-mos Dona Sabel cumo stadista profissional. Nun tenie nada d'andeble senhora nun mundo zumano quemandado por homes biolentos. La sue profisson, a tiempo anteiro, fui ser reina. Admenistrou un patrimonho taludo, que mobelizou, cun mano firme, al serbício de ls más probes i de la cultura, i sparbou la sue acion diplomática a la maior parte de l’Ouropa. Balendo-se de ls lhaços familiares, tomou l'eniciatiba d'anterbir an muitas çputas, cun tanto sentido d'ouportunidade i de justícia, cun tanta capacidade de negociaçon, que resolbiu teimas que quien ls miraba parecien ansolúbeis. L correio diplomático i ls ambiados nun parában. La bida desta mulhier ye un eisemplo straordinairo de capacidade de trabalho.
An Lisboua, acerca de la «Loija de ls Açores», eisiste ua lápide que pertenciu a un padron inda mais antigo. Traduzo: «Santa Sabel, reina de Pertual, mandou poner este padron neste sítio an mimória de la pacificaçon que nel se fizo antre sou sposo el-rei D. Dinis i sou filho D. Fonso IV, que staba para se trabar la batailha, na era de 1323». Hai pouco tiempo, roubórun la cruç i çpuis la coluna de l padron. Sobra la lápide, a relhembrar l'eipisódio. Ls poderosos purparában-se para çputar l poder, a custa dua guerra cebil; anterbén la reina, cun coraige física i anteligéncia rápida. Cedírun l rei, l filho, ls nobres.
Ls ésitos de las mediaçones nacionales i anternacionales de Santa Sabel nun cáben nun artigo de jornal.
An Júnio de 1336, chegou-le l'ambora de más ua guerra, desta beç antre Pertual i Castielha. La reina puso-se a camino. Tenie 65 anhos, éran muitos quilómetros i bários rius pul camino, mas nun houbo maneira d'a cumbencir a nun ir.
La calor apertaba. Al fin dua sumana de biaige, chegou a Stremoç, recebida cun eimenso carino, mas cua úlcera ne l braço. Ls tratamientos nun dórun an nada. Ne l die 1 de Júlio la febre fui tamanha que nun cunseguiu alhebantar-se para star a Missa. Ls médicos stában cunfiantes, mas la reina antendiu que sue eisisténcia staba atada por un filo.
Ne l die 4, cunfessou-se antes de la Missa, celebrada ne l quarto. Inda se lhebantou para ir a la capielha. Durante l die, cumbersou culas bejitas, ancantadora cumo siempre. Todo normal, quando Nuossa Senhora l’apareciu, staba cun sue nuora. A la nuite, quijo que nun atrasássen la sena por causa deilha. Pouco tiempo çpuis tubo un çfalecimiento i D. Fonso acorriu para an pie de sue mai. Melhorou, i quedórun ls dous a falar de las nietas. Passado que fui algun tiempo, adbertindo que l sou fin s’aprossimaba, ambocou Nuossa Senhora, recitou l Credo, l Padre-nuosso i outras ouraçones. La boç quedou sumida i çfícele d'antender. Morriu.
Era l die 4 de Júlio. Hoije, fiesta de Santa Sabel
Outor: José Marie C. S. André
-----------------------------------------------------------
Encantos e jóias
Hoje (4 de Julho) celebra-se em todo o mundo uma das figuras mais encantadoras da história portuguesa. Muitos escreveram sobre ela, mas a melhor biografia é a publicada em 2011 pelo historiador espanhol José Miguel Pero-Sanz.
Já adivinhou? É uma mulher aparentada com quase toda a realeza europeia: avós húngaros e alemães, pai aragonês, mãe de sangue alemão e siciliano. Pelo casamento com D. Dinis, ficou ligada à coroa portuguesa e indirectamente às famílias reais francesa e castelhana. Tinha um porte elegantíssimo, cabelo claro, olhos verdes, feições perfeitas. Os cronistas da época falam da «sua grande formosura, muito louvada nas cortes dos reis e dos príncipes». Media 1,76 m. Isabel era um deslumbramento, naquela época.
Sabia arranjar-se, usava bons vestidos e jóias caras. Era rainha a tempo inteiro e não deixava que alguém tivesse dúvidas a esse respeito. Até ao fim da vida, assinou sempre «Isabel, rainha de Portugal e do Algarve». Oficialmente, começou a ser rainha aos 11 de idade, embora só tenha começado a exercer funções quando entrou em Portugal, com 12 anos.
Um traço de carácter que se destacava era a autoridade natural. Mandava (mandou muito!), mas com uma ascendência tão forte que todos lhe reconheciam a liderança. O marido dizia e repetia que ela «nasceu para ser rei» (escrevia assim, no masculino) e o povo concordava, porque Isabel não precisava de puxar por uma espada para pôr em sentido os vassalos mais poderosos e ricos, pouco dados a obedecer.
Nasceu no palco das intrigas internacionais. Talvez por isso, tivesse um instinto e uma habilidade política tão extraordinários.
Naquela época, as famílias reais costumavam casar entre si, primos com primos, de modo que o flagelo da consanguinidade explica muita coisa. O caso de Isabel foi uma excepção. O seu próprio casamento com o rei português foi um dos poucos daquela época que não precisou de dispensa papal por razão de consanguinidade. Por causa dos cruzamentos entre familiares próximos ou do ambiente decadente da corte portuguesa, ou por várias razões juntas, D. Dinis foi um homem descontrolado, violento ou, como o descrevia Vitorino Nemésio, «vigoroso, com uma imaginação aguda e sensual; não lhe faltavam na sua própria casa exemplos de vida regalada». Este luxo e essa luxúria não ajudaram a formar uma personalidade íntegra e generosa. Desse descontrolo nasceram muitos filhos ilegítimos e confrontos sangrentos. Por outro lado, segundo os dados disponíveis, D. Dinis foi o primeiro rei português não analfabeto o que, só por si, diz muito sobre a rudeza intelectual daquela corte. D. Isabel tinha outra formação. Sabia latim. Ai dos padres, se alguma vez eram pouco rigorosos no latim, na presença dela!
A história descreve-nos D. Isabel como estadista profissional. Não tinha nada de frágil senhora num mundo desumano dominado por homens violentos. A sua profissão, a tempo inteiro, foi ser rainha. Administrou um património enorme, que mobilizou, com mão firme, ao serviço dos mais pobres e da cultura, e estendeu a sua acção diplomática a grande parte da Europa. Valendo-se dos laços familiares, tomou a iniciativa de intervir em muitas disputas, com tanto sentido de oportunidade e de justiça, com tanta capacidade de negociação, que resolveu conflitos aparentemente insolúveis. O correio diplomático e os enviados não paravam. A vida desta mulher é um exemplo extraordinário de capacidade de trabalho.
Em Lisboa, perto da «Loja dos Açores», existe uma lápide que pertenceu a um padrão ainda mais antigo. Traduzo: «Santa Isabel, rainha de Portugal, mandou colocar este padrão neste lugar em memória da pacificação que nele se fez entre seu marido el-rei D. Dinis e seu filho D. Afonso IV, estando para se darem batalha, na era de 1323». Recentemente, roubaram a cruz e depois a coluna do padrão. Resta a lápide, a recordar o episódio. Os poderosos preparavam-se para disputar o poder, à custa de uma guerra civil; intervém a rainha, com coragem física e inteligência rápida. Cederam o rei, o filho, os nobres.
Os êxitos das mediações nacionais e internacionais de Santa Isabel não cabem num artigo de jornal.
Em Junho de 1336, chegou-lhe a notícia de mais uma guerra, desta vez entre Portugal e Castela. A rainha pôs-se a caminho. Tinha 65 anos, eram muitos quilómetros e vários rios pelo caminho, mas não houve maneira de a convencer.
O calor apertava. Ao fim de uma semana de viagem, chegou a Estremoz, recebida com imenso carinho, mas com uma úlcera no braço. Os tratamentos não deram nada. No dia 1 de Julho a febre foi tanta que não conseguiu levantar-se para assistir à Missa. Os médicos estavam confiantes, a rainha percebeu que estava por um fio.
No dia 4, confessou-se antes da Missa, celebrada no quarto. Ainda se levantou para ir à capela. Durante o dia, conversou com as visitas, encantadora como sempre. Tudo normal, excepto que Nossa Senhora lhe apareceu, quando estava com a nora. À noite, quis que não atrasassem o jantar por sua causa. Pouco depois teve um desfalecimento e D. Afonso correu para junto da mãe. Recompôs-se, e ficaram os dois a falar das netas. Passado um tempo, advertindo que o fim se aproximava, invocou Nossa Senhora, recitou o Credo, o Pai Nosso e outras orações. A voz ficou sumida e difícil de entender. Morreu.
Era o dia 4 de Julho. Hoje, festa de Santa Isabel.
José Maria C. S. André
«Correio dos Açores», 7-VII-2014

25/06/20

Suonhos





Quando ls suonhos nun guían bien la bida, un nun ten muito por adonde scolhir.
Corrie-se pul’aldé habie pouco tiempo.  L falatório era bien asparecido na grandura i ne l modo cumo fui quando el se scapou – que fizo mal, que fui ua boubada scapar-se – lhebando a Marie, sue tie, l filho mais nuobo i la filha de inda mui nobica. Que l rapaç más bielho yá nun podie acumpanhá-los por bias de l’eidade s’arrimar a las suortes. L regime que gobernaba ne l Paíç habie decretado que purmeiro tenie que fazer la tropa.
Manuol fui-se deiqui, abandonou l’aldé que lo biu nacer, que l’ampuso fame, sacrafícios i nun l daba spráncias de l die de manhana, de l feturo ser melhor. Çfizo-se de sous haberes assi cumo de ls tarecos eili bien an pie de la puorta de morar nun deimingo a la tardechica. L pobo alhá se fui arrimando, mandando i regateando ne l que necitaba, splorando la fatalidade de quien tenie que se çfazer deilhes, fazer uas crouas para pagar la passaige de nabiu pa las tierras d’adonde habie benido la carta de chamada.
Era l suonho que lo guiaba.
L suonho d’achar un sítio, un lhugar, ua tierra, un Paíç que tubisse l’ouportunidade de cunseguir i de dar ua bida melhor als sous. Prancipalmente aqueilhes q’el  más la sua amada tie habien botado neste mundo. Mesmo que fusse la decison más custosa de sue bida, anté porque deixaba para trás l rapaç más bielho.
Mas tubo que l fazer, cumo diç l pobo – “l suonho comanda la bida” – i l del, nun era solo comandado pula gana de la çcubierta dun mundo melhor, era ampurrado por ua pobreza agarrada al culo zde l tiempo de sous pais i abós.
L pobo nun s’anganhou, peçque ye sábio, nun tardou muito i yá se dezie que Manuol nun buolbie porque nun tenie cumo. Nun s’afizo, nun habie alhá todo aquilho que el bie nas nuites que passaba an claro. Nun habie alhá modo d’anchir la barriga a la família, d’anchir la sue casa. Sina la sue, se acá nada tenie, alhá tamien nada habie.
Agarrando que fazer nua mina de carbón, era apreitado, soldo pequeinho, ruin paga, splorado, cula lomeada de strobilho i de strangeiro. Nun tardou an quedar culs bofes negros, la maleita, por bias de l puolo respirado ne l poço de la mina.
La carta para Sabel chegou, era lebe cumo ua pruma i a las riscas, porque era correspundéncia que benie pul aire, d´abion, mas l’ambora era bien pesada.
Manuol yá nun bibie.
Sabel, l’armana mais achegada quedou amargurada, triste i zacarcionada de la bida, perdiu l sou primeiro amor, puis amou-lo zde pequerrica, bien antes d’amar sou tiu. Porque era armano, carinhoso, portetor, biu siempre nel un home de suonhos i agora la cunfirmaçon de l que las malas lhénguas xaldrocában era berdade. Las lhágrimas soltórun-se de sous uolhos scorrendo cara abaixo, las manos que assigurában la mensageira tremien.
Mala suorte la sue i quando la suorte nun dá ua upa, mesmo pequeinha que seia, anté ls más lhuitadores ténen deficuldade an bencir.
Rializar ls suonhos.
 Faustino Antão

17/06/20

"La checharra i la formiga"


(cuonta traduzida pa l mirandés de l testo ambiado pul Dr. Manuel Bento Fernandes)


La cuonta "La checharra i la formiga" bersion Pertual 2020

La burra de la formiga trabalha ne l duro l'anho todo, custrói la sue casa i ajunta probisones pa l ambierno.
Anquanto esso, la checharra passa ls dies fazendo eisercícios corporales ne l salon, ne l café ou ponendo las unhas guapas, a Dius te me dou. Las nuites son na rambóia – bibá la noche, culas amigas. Trabalhar nada.

Lhougo que chegou l ambierno, la formiga recolhiu-se an casa aonde tenie todo l que percisaba anté que benisse la primabera.
La checharra, chenica de friu i de fame, bai-se al porgrama de la TBI – “la casa de Cristina” – i lhamúria-se a tie Cristina Ferreira, que nun ye justo que la formiga tenga dreito a casa i quemido, quando outros, cun menos suorte qu'eilha, pássan friu i fame.
L mandilete que siempre l’acumpanha, tiu Hernani Carbalho,  diç que ye ua bergonha.
La CMTB nun perde l'ouportunidade i fai un porgrama n’hora a la puorta de casa de la formiga, eiditando eimaiges de la formiga ne l calentico cula mesa chenica de quemer.

L pobo queda reboltado al saber que sou paíç, dezido zambolbido, deixa sufrir la pobre checharra, anquanto que outros ándan a bibir a la farta i a la francesa.
Ye ourganizada ua caminada pa dar upas a la checharra.
Tamien s’ourganiza ua palhestra special -  “Prós i Cuontras – RTP” - aonde se questiona cumo ye que la formiga anriqueciu a custas de la checharra.
Dun lhado de la bancada, ls defensores de l'eigualdade (pró-checharra).
De l outro lhado, ls sien-coraçon (que defénden l'eigoísta i ansensible formiga).

Cumo repuosta a las mais recientes sondaiges. L gobierno purpara ua lei subre l'eigualdade eiquenómica i que cunte d’atrás (zde l berano).
 Ls ampostos de la formiga ouméntan bastante i inda ancorre nua multa por nun tener prestado assisténcia a la checharra. Las prestaçones a la sigurança-social tamien quédan taludas, de modo a séren justamente partilhados cula checharra.
Çpuis la casa de la formiga ye penhorada pula finanças porque nun fui capaç de pagar ls ampuostos.
La formiga, zeiludida, fai las malas i eimigra para un paíç aonde l sou sfuorço seia reconhecido i aonde puoda saborear ls fruitos benidos de l sou trabalho.

L'antiga casa de la formiga ye cumbertida nua habitaçon social para checharras.
Que, eirrepunsabelmente, nun páran de fazer filhos i que bíben de donaçiones de quemido, bebendo cerbeija i coca-cola. L pouco que recíben de ls çcuntos de la formiga mal dá pa ls bienes eissenciales, cumo por eisemplo çapatilhas de la Nike i caps de l’Oubey.

La casa queda un sbarrulho por falta d’amanhos.
L gobierno inda ye mui falado porque nun pon serbícios a la çposiçon de la checharra, que bibe agora an cundiçones quaije zoumanas.

L'ouposiçon purpon ua comisson d'ambestigaçon multi-partidaira que custará milhones d'ouros.

Mientres la checharra muorre-se d'oberdose.
La “comunicaçon social” bótan nuobas i dízen a boca chena que la muorte de la checharra ye culpa de nun haber upas sociales por parte de l gobierno, que falhou an acabar culas zeigualdades sociales i l'anjustiça eiquenómica.
La casa acaba por ser acupada por ua família d'aranhas eimigrantes, traficantes de droga i qu'aterrorízan la bezinança.
L gobierno ourgulha-se pula dibersidade cultural de Pertual.

Biba Pertual 2020

...........................................................................
O conto "A cigarra e a formiga" versão Portugal 2020

A burra da formiga trabalha no duro o ano todo, constrói a sua casa e acumula provisões para o Inverno.
Enquanto isso, a cigarra passa os dias no ginásio, no café ou a arranjar as unhas de gel e o caraças.
As noites são no Bibá la noche com as amigas.
Chegado o inverno, a formiga refugia-se em casa onde tem tudo o que precisa até à primavera.
A cigarra, cheia de frio e de fome, vai ao programa da Cristina queixar se à Cristina Ferreira que não é justo que a formiga tenha direito a casa e comida quando outros, com menos sorte que ela, passem frio e fome. O Hernáni Carvalho diz que é uma vergonha.
A CMTV não perde a oportunidade e faz um directo à porta de casa da formiga, passando imagens da formiga ao quentinho com a mesa cheia de comida.
O povo fica revoltado ao saber que o seu país, dito desenvolvido, deixa sofrer a pobre cigarra enquanto que outros andam a viver à grande e à francesa.
É organizada uma marcha de apoio à cigarra.
É feito um episódio especial do Prós e Contras - RTP onde se questiona como é que a formiga enriqueceu às custas da cigarra. De um lado da bancada, os defensores da igualdade (pró-cigarra). do outro lado, os sem-coração (Que defendem a egoísta e insensível formiga).
Em resposta às mais recentes sondagens. O governo prepara uma lei sobre a igualdade económica com efeitos retroactivos (desde o verão).
Os impostos da formiga aumentam consideravelmente e ainda incorre numa multa por não ter prestado assistência à cigarra. Os descontos da segurança-social também sobem, de modo a ser justamente partilhados com a cigarra.
A casa da formiga é penhorada pela finanças por não ter conseguido pagar os impostos.
A formiga, decepcionada, faz as malas e emigra para um país onde o seu esforço seja reconhecido e onde possa desfrutar dos frutos do seu trabalho árduo.
A antiga casa da formiga é convertida numa habitação social para cigarras. Que, irresponsavelmente, não param de fazer filhos e que vivem de doações de comida, cerveja e de coca-cola. O pouco que recebem dos descontos da formiga mal dá para os bens essenciais, como por exemplo sapatilhas da Nike e caps da Obey.
A casa deteriora-se por falta de cuidados.
O governo é fortemente criticado pela falta de meios colocados à disposição da cigarra, que vive agora em condições quase desumanas.
A oposição propõe uma comissão de investigação multi-partidária que custará milhões de euros.
Entretanto a cigarra morre de overdose.
Os media garantem que a morte da cigarra deveu-se à falta de apoio social por parte do governo, que falhou em acabar com as desigualdades sociais e a injustiça económica.
A casa acaba por ser ocupada por uma família de aranhas imigrantes, traficantes de droga e que aterrorizam a vizinhança.
O governo felicita-se pela diversidade cultural de Portugal.
Viva Portugal 2020

(Recuso o "Acordo Ortográfico")