07/05/22

abenida abaixo / avenida abaixo

 

Maio 6, 2010

in blog – fuontes de l aire –

fracisco niebro / Amadeu Ferreira

 

abenida abaixo

 

bou abenida abaixo i méten-me duolo las fuolhas baças de las arbles, ls salagres galhos cun sou pelo suolto als fumos, als puolos, als aires malos: i dá-me la gana de ls arrodiar nun monho que solo se çfazisse al sereno de la nuite, al menos ua trança adonde l berde podira jogar a la cuorda ne ls demingos de maio.

….//….

avenida abaixo

 

vou avenida abaixo e metem-me dó as folhas baças das árvores, os quebradiços galhos com o seu cabelo solto aos fumos, às poeiras, aos ventos maus: e dá-me vontade de os enrolar num carrapito que só se desfizesse no sereno da noite, pelo menos uma trança onde o verde pudesse jogar à corda nos domingos de maio.

 

 

traduziu: ac

Maio 6, 2022

04/05/22

Cousas que nun demodórun / Coisas que não mudaram

 

Maio 4, 2010

in blog – fuontes de l aire –

fracisco niebro / Amadeu Ferreira

 

cousas que nun demodórun

beio-me griego para antender cumo son guapos, na eideia de ls antendidos, ls bersos de Píndaro, mas pul que diç dou an pensar que muita cousa nun demudou an mais de dous mil i quenhientos anhos, quando canta na ode VII, a respeito de Mégacles de Atenas, ganhador de las corridas de cabalhos:


«Quedo cuntento pulas tues bitórias de hai poucos dies. Mas triste porque l’ambeija ye l précio pa ls feitos que son mui guapos.»

….//….

coisas que não mudaram

vejo-me grego para entender como são belos, na ideia dos entendidos, os versos de Píndaro, mas pelo que diz faz-me pensar que muita coisa não mudou em mais de dois mil e quinhentos anos, quando canta na ode VII, a respeito de Mégacles de Atenas, campeão das corridas de cavalos:

«Fico contente pelas tuas vitórias de há poucos dias. Mas triste porque a inveja é o preço para os feitos que são muito belos.»

traduziu: ac

Maio 4, 2022

10/03/22

Salimiento de lhibrico "Da Origem e Importância da Língua Mirandesa como Factor de Coesão Nacional" de Fernando Tabanez Ribeiro.

 

 


In memoriam do ilustre Prof. Amadeu Ferreira, cujo falecimento representou 

uma grave perda para o País e para a comunidade mirandesa em particular. 

Desaparecido o homem, fica o seu legado entregue a uma renovada geração 

capaz de assegurar a continuidade da sua obra.

             

DA ORIGEM E IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA MIRANDESA

COMO FACTOR DE COESÃO NACIONAL

       

   A romanização dos povos da Península Ibérica iniciou-se com a pacificação imposta pelas campanhas militares de Décimo Júnio Bruto, no séc II AC, na Galécia e grande parte da Lusitânia, tendo sido o latim a língua veicular, posteriormente adoptada em toda a Península, à excepção do País Basco onde se continuou a falar o Euskera, língua proto-ibérica cuja filiação se desconhece.

 O latim falado pelos povos submetidos, ou “latim vulgar”, afastava-se muito do “latim clássico” erudito, evidenciando especificidades acentuadas de região para região, dado o modo próprio como cada um dos dialectos celtibéricos pré-existentes assimilou o latim e também devido à grande diversidade de influências trazidas pelos invasores, consoante a origem geográfica ou social dos colonos, soldados e funcionários romanos vindos de Itália.

  É sobre estas variantes do “latim vulgar”, faladas pelos povos peninsulares, que, após a queda do Império Romano do Ocidente (séc. V), se vão individualizar as línguas românicas ou “romances”, tendo em conta o caminho específico seguido por cada uma delas e a contribuição que os posteriores povos invasores, germânicos, primeiro (séc.V), e árabes (séc. VIII) depois, vieram dar....................................

 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

In memorian de l'eilustre Porsor Amadeu Ferreira, an que sue muorte repersentou ua grabe perda pa l Paíç i pa la quemunidade mirandesa an particular.  Zaparecido l'home, queda l sou legado antregue a ua renobada geraçon capaç d'assegurar la cuntinidade de la sue obra.

 

 DE L’OURIGE I AMPORTÁNCIA DE LA LHÉNGUA MIRANDESA CUOMO FATOR D’OUNION NACIONAL.

 La romanizaçon de ls pobos de la Península Eibérica ampeçou cula pacificaçon ampuosta pulas campanhas melitares de Décimo Júnio Bruto ne l sec.II AC na Galécia, assi cumo la maior parte de la Lusitánia, tenendo sido l lhatin la lhéngua beicular, más tarde aporfelhada an to la Península, cun eiceçon de l Paíç Basco aonde se cuntinou a falar l Euskera, lhéngua proto-eibérica an que la sue felhiaçon se çconhece.

L lhatin falado puls pobos submetidos, ou “lhatin bulgar”, apartaba-se muito de l “lhatin clássico” eirudito, eibidenciando specifecidades acentuadas de region para region, dado l modo própio cumo cada un de ls dialetos celtibéricos pré-eisistentes acolhiu l lhatin i tamien debido a la grande dibersidade d'anfluéncias trazidas puls ambasores, cunsuante l'ourige geográfica ou social de ls quelonos, suldados i funcionairos romanos benidos d’Eitália.

 Ye subre estas bariantes de l “lhatin bulgar”, faladas puls pobos peninsulares que, çpuis de l sbarrulho de l Ampério Romano de l Oucidente (sec. V), se ban andebidualizar las lhénguas románicas ou “romances”, tenendo an cunta l camino specífico seguido por cada ua deilhas i la cuntribuiçon que ls posteriores pobos ambasores, germánicos purmeiro (sec. V) i árabes (sec. VIII) apuis, benírun a dar..................................................

 



 

04/03/22

 

Março 4, 2010

in blog – fuontes de l aire

fracisco niebro / Amadeu Ferreira

 

ganhar l die

un ramico de froles inche de quelor
ls uocos que me chúben pulas horas; ye
naquesse jardin que me pace, triste, l die,
nel demudo an cuntentamiento l miu delor;

quando l pensar me chube aceso an sou queimor
i bate l sien sentido l’ala selumbrie,
miro aqueilhas frolicas i, quien dezirie,
lhougo abaixa al jardin i canta un reissenhor;

tan afeitos a eilhas, ls uolhos me fúgen
a cebar-se an sereno i ls miedos se scamúgen
grimados cula fuorça que l pequeinho apanha:

nunca hai tan amportante cousa que te smague,
nien deixes que alto assunto un solo die t’açague,
puis la bida ye ne l pequeinho que se ganha.

 

…//…      

      

ganhar o dia


um raminho de flores enche de cor

os vazios que me sobem pelas horas; é

nesse jardim que me passeia, triste, o dia,

no demudo em contentamento a minha dor;

 

quando o pensar me sobe aceso em seu ardor

e bate o sem sentido a asa sombria,

olho aquelas florzinhas e, quem diria,

logo desce ao jardim e canta um rouxinol;

 

tão afeitos a elas, os olhos me fogem

a engordar-se em sereno e os medos fogem

assustados com a força que o pequeno apanha:

 

nunca há tão importante coisa que te esmague,

nem deixes que alto assunto um só dia te estrague,

pois a vida é no pequeno que se ganha.

 

 

traduziu: ac

Março 04, 2022

obs.: pode a tradução não mostrar todo o sentir do poeta.